O Poderoso Chefão: 50 anos da obra prima que quase não existiu

James Caan, Marlon Brando, Francis Ford Coppolla, Al Pacino e John Cazale no set de “O Poderoso Chefão”

Los Angeles, Califórnia. O jovem Francis vivera o melhor do verão do amor ao longo dos anos 1960 e sonhava fazer alguns filmes. Formado em Cinema pela UCLA, onde foi colega de Jim Morrison, fundou a distribuidora American Zoetrop com outro amigo de faculdade, George, em dezembro de 1969. Na época, o mercado cinematográfico estava em transição, mas os grandes estúdios ainda davam as cartas por contar com milhares de profissionais, de roteiristas a dublês. Se você quisesse que sua obra atingisse grandes públicos não havia alternativa a não ser recorrer aos grandes.

Francis e George fizeram isso, e em 1971 a Zoetrop, em parceria com a Warner Bros, lançou o filme THX1138, uma obra de ficção cientifica que só pelo nome você já consegue imaginar o fracasso nas bilheterias. O resultado foi uma divida de 400 mil dólares para recém criada distribuidora. Por sorte, a oportunidade para sair do buraco rondava o bairro e não demorou a bater a porta: a Paramount, outro dos grandes estúdios, procurava um diretor para a adaptação de um livro sobre uma família siciliana do escritor norte-americano Mario Puzo.

Muitos negaram o convite, alguns com a afirmativa de que “filmes de mafiosos italianos não vendiam”, e eis que a bola estava com Francis, que não achava o livro tão legal assim. “Mas quem se importa, cara, faz esse filme e depois a gente pode fazer o filme que a gente quiser”, teria dito George, Lucas, o amigo e posteriormente criador do universo Star Wars. E foi assim que Francis Ford Coppola aceitou dirigir “O Poderoso Chefão”, lançado em 1972.

Cinquenta anos depois, o filme está de volta as telas de cinema em alta resolução e a imagem de Dom Vito Corleone segue estampando de meias de algodão aos já clichês quadros da Wall Street Posters. Mas se hoje tudo são flores – ou doces canolis – o mesmo não pode se dizer dos bastidores turbulentos das filmagens. E a história por trás da história poderá ser conhecida na nova série da Paramount+. Streaming do mesmo estúdio que há 50 anos tentou substituir o ator principal no meio do caminho, ameaçou demitir o diretor e infernizou a produção de todas as maneiras que um chefe impertinente pode fazer.

O filme

Trailler da edição remasterizada e comemorativa de “O Poderoso Chefão” lançada este ano

“O Poderoso Chefão” é de fato o que o cinema tem de melhor: fotografia detalhista, direção magistral, que por sorte caiu nas mãos de um italo americano que sabia a importância de uma reunião familiar, e claro, atuações transcendentais. Soma-se tudo isso e você tem uma crônica impiedosa e comoventes da vida americana, retratando uma família de carne e osso, e cuja espinha dorsal somos apresentados na cena de abertura do filme.

É o casamento de Connie (Talia Shire) filha caçula de Dom Corleone (Marlon Brando), homem com ampla influência na cidade e cabeça chefe da família Corleone. A festa tem centenas de convidados que variam de parentes distantes a políticos e juízes. Alguns com hora marcada para falar com o Dom, dentro da agenda organizada por Tom Hagen (Robert Duvall). Tom é um consegliere, um conselheiro, voz importante nas tomadas de decisão. Ele foi encontrado na rua e criado como se da família fosse – mesmo sendo German Irish.

Além da filha Connie, Dom Corleone tem três filhos homens. Fredo (John Cazale) é o mais velho. Frágil e inseguro, é ele que está presente no atentado ao pai. Sonny (James Caan) é o filho do meio entre os homens. Truculento e impulsivo, trata tanto o irmão mais velho quanto o mais novo como crianças.

Michael (Al Pacino) é o mais novo entre os homens, e o mais distante do negócios da família. No casamento ele acaba de voltar do exército junto com a nova namorada Kay (Diane Keaton), a qual não sabe nada sobre os Corleone. Há também personagens secundários como o Capo Clemenza (Richard Castellano), uma espécie de professor que ensina desde como fazer molho para espaguete a como manejar uma arma. Todos são apresentados ao longo dos 27 primeiros minutos do filme, tempo que dura a cena do casamento.

Após a festa somos levados pelas outras duas horas e meia de filme a Los Angeles, Las Vegas e Itália, intercalando momentos brutais com cenas familiares a mesa – onde não se fala de negócios. Nada que aparece na tela é em vão e todos os personagens cumprem um papel importante, desde o padeiro Enzo, ao agente funerário Bonasera que se compadece quando o Dom pede ajuda para velar o filho, “look how they masacred my boy”.

Os Corleone são de verdade: sofrem e sangram na frente do espectador, e quando não estão fazendo isso, tocam piano, tomam vinho e dão risadas. Até demoramos a aceitar que os personagens que vemos em uma cena fazendo molho para massa e falando sobre amor, na cena seguinte estão com espingardas e metralhadoras estourando os miolos de alguém. Mas logo entendemos que não é nada pessoal, só a maneira de fazer negócios. 

No fim “O Poderoso Chefão” atinge uma humanidade acima da moralidade como uma tragédia Shakesperiana. E que há 50 anos nos ensina como Tolstói, que todas as famílias felizes se parecem, cada família infeliz é infeliz à sua maneira.

Os bastidores

Trailler da série “The Offer” que conta em dez episódios os bastidores da produção de “O Poderoso Chefão”

Em 1972 o New York Times anunciou a estreia de “O Poderoso Chefão” como o retorno de Marlon Brando. Aos 48 anos, o astro dos filmes dos anos 1950 era desprezado e encarado como problema por todos os estúdios a época. “Marlon Brando jamais estrelará este filme”, Coppola teria ouvido da boca de um executivo da Paramount. Outro nome que estava fora de cogitação era o de Al Pacino. Ainda desconhecido, os executivos não o queriam no papel de Michael.

A Paramount também queria que o filme se passasse nos anos 1970, em Kansas City, ao invés de ser ambientado como foi, nos anos 1940 em Nova York – era muito mais caro filmar lá. Desde que assumiu o cargo, Francis Ford Coppola teve que lutar para fazer o filme da maneira que queria. A cabeça do diretor também estava a prêmio: pelo menos quatro vezes ele esteve prestes a ser demitido e era obrigado a conviver com um substituto dentro do set, pronto para assumir a qualquer momento.

Além dos executivos do estúdio que só pensavam em controlar o orçamento, havia também pressão de mafiosos da vida real que queriam acabar com o filme para proteger a imagem dos ítalo-americanos (por esse motivo que a palavra máfia não é dita ao longo de toda obra). E até Frank Sinatra, que não gostou nada de um personagem ser baseado nele e na sua possível conexão com a máfia.

Coppola contornou as situações. Em alguns casos mentindo para Brando e em outros colando a frase dita pelo alto executivo sobre o ator na boca do personagem Woltz, “Jhonnie Fontane jamais estrelará este filme”. E as histórias sobre os os bastidores do antes, durante e depois das gravações de “O Poderoso Chefão” foram primeiramente contadas no livro “Leave the Gun Take the Canoli”, em alusão a frase célebre dita por Clemenza.

Agora elas também serão contadas na série “The offer” da Paramount+, que em 10 episódios narra a jornada de Albert S. Ruddy (Miles Teller), produtor que saiu do mundo da programação de computadores para Hollywood e lutou até o último dia para que o filme fosse feito exatamente como Coppola queria. Claro, a série não tem Al Pacino interpretando a si mesmo, assim como os demais atores, mas é legal pensar o quanto os bastidores são por si só um capítulo a parte.

Em alusão aos cinquenta anos do lançamento do filme Copola, Al Pacino e Robert Deniro subiram ao palco na cerimonia do Oscar deste ano para receber uma devida homenagem (logo após o famigerado tapa do Will Smith). Na mesma premiação, mas em 1973, o longa ganhou três prêmios, um deles para Marlon Brando que não foi a premiação. Um outro foi a estatueta da melhor filme, entregue Albert Rudy, que também também tem seu nome destacado como produtor responsável no pôster oficial, e de certa forma é a primeira pessoa que temos que agradecer por “O Poderoso Chefão” ser da maneira que conhecemos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s